13 de agosto de 2011

Exactamente um ano depois do dia infernal

20110813-rq-08

No dia 13 de Agosto de 2010, exactamente há um ano, o lume numa correria louca arrasou quase toda a vida na cordilheira central da Ilha da Madeira.

Urzes centenárias, sorveiras raríssimas, uveiras carregadinhas de frutos, tudo ficou calcinado. Os pássaros calaram-se, as borboletas deixaram de esvoaçar. O silêncio era sepulcral!

Em poucas horas a Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal perdeu mais de 90 % das plantações no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha.

Em poucas horas quase dez anos trabalho transformaram-se em esqueletos calcinados e cinzas.

A dor foi enorme. Poucos conseguiram reprimir as lágrimas. O desalento invadiu muitos corações.

Mas ainda o solo fumegava e já um grupo de voluntários estava no terreno a trabalhar para que a biodiversidade renascesse das cinzas. Sábado após sábado, com chuva ou sol, com brisa fresca ou vento forte, demos as mãos às sobreviventes e colocámos cuidadosamente milhares de plantinhas na terra enegrecida.

Hoje, exactamente um ano depois do dia infernal, estivemos a trabalhar no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha. Muito há a fazer para que a paisagem recupere a beleza perdida, mas os primeiros sinais vitais são animadores.

20110813-rq-01
20110813-rq-02
20110813-rq-03
20110813-rq-04
20110813-rq-05
20110813-rq-07
20110813-rq-09
20110813-rq-10
20110813-rq-11

Texto e fotos de Raimundo Quintal

0 Comentário(s):

Enviar um comentário

<< Home