14 de agosto de 2010

O fogo varreu o Pico do Areeiro
(14 de Agosto de 2010)

20100814-rq-01
Esta madrugada, ao escrever o artigo anterior, ainda tinha alguma esperança de que o fogo não devorasse o Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, edificado com enorme esforço pelos voluntários da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal.

20100814-rq-15
20100814-rq-16
20100814-rq-17
Infelizmente entre as 2 e as 4 da manhã o lume arrasou quase tudo. A casa foi destruída. Muitos milhares de pequenas plantas desapareceram completamente. Do vasto manto de urzes e uveiras-da-serra apenas restam os esqueletos negros entre os blocos de basalto. As borboletas e os pássaros esvoaçam desorientados naquela paisagem onde esta manhã pairava um silêncio de morte.

20100814-rq-09
No Pico do Areeiro, onde estava a ser criado um oásis de vegetação indígena, menos de 10% das plantas resistiram à passagem do lume.

20100814-rq-03
20100814-rq-04
20100814-rq-06
20100814-rq-14
Mas a catástrofe ecológica teve proporções muito mais amplas. O lume tem vagueado por toda a cordilheira central. Do Pico do Areeiro ao Pico Ruivo, a biodiversidade foi profundamente afectada. O melhor núcleo de vegetação de altitude foi literalmente arrasado. Uma pequena população de sorveira (Sorbus maderensis) desapareceu. Desta espécie endémica apenas sobreviveu na Natureza uma árvore na Bica da Cana, no planalto do Paul da Serra.

20100814-rq-19
20100814-rq-11
20100814-rq-20
Importantes áreas de Laurissilva na Fajã da Nogueira e na bacia hidrográfica da Ribeira Seca do Faial também estão a ser molestadas pelo fogo.

20100814-rq-02
20100814-rq-05
20100814-rq-07
20100814-rq-12
Enorme delapidação da biodiversidade e um monstruoso caos de blocos à espera das próximas chuvas para correr encosta abaixo, são marcas do perigoso deserto que agora ocupa uma grande parte da cordilheira central.

20100814-rq-08
20100814-rq-10
20100814-rq-13
20100814-rq-18
Nestes momentos de profunda dor temos de ganhar forças para recomeçar o difícil e moroso trabalho de recuperação do coberto vegetal das montanhas, que neste momento mais parecem campos bombardeados.

Texto e fotos de Raimundo Quintal

4 Comentário(s):

Blogger Rui Nunes escreveu...

Só quero deixar um voto de força aos amigos do parque ecológico e mostrar a minha enorme tristeza perante o sucedido.
Rui Nunes

15 agosto, 2010 11:24  
Blogger Soph!a ღ escreveu...

Agora que está assim, temos de pensar em plantar novamente. Não podemos desistir nunca. Acho que a população está sensibilizada e quer ajudar. Os apelos devem ser feitos AGORA!!!

Todos juntos podemos fazer grandes feitos.

Há que prevenir o que virá no Inverno JÁ! E o que perdemos terá de ser reencontrado.

Eu quero ajudar e sei que há muitas pessoas que tb querem.

Temos de ter Força!!

15 agosto, 2010 13:35  
Blogger Argonauta escreveu...

Todos juntos vamos conseguir! Sob a liderança do excepcional Raimundo Quintal estamos todos prontos para colaborar!

Só falta definir como, quando e onde, que nós lá estaremos!

Força!!

15 agosto, 2010 15:44  
Anonymous severino olim escreveu...

A todos quanto fizeram, nestes ultimos anos, pelo Parque Ecologico do Funchal e pelo Centro de Educação Ambiental, cabeço da lenha, a minha sincera solidariedade e que os valores que acrediteis sejam de novo um facho de esperança pela retoma das vossas nobres iniciativas em prol de madeira cada vez mais verde e equilibrada na sua biodiversidade.

18 agosto, 2010 17:50  

Enviar um comentário

<< Home