19 de agosto de 2010

Novo Programa de Actividades, até ao final do ano.

Membros da AAPEF reuniram-se ontem ao final da tarde para conhecer melhor a situação presente na cordilheira central da Madeira e debater as possíveis opções a seguir com o objectivo de recuperar a cobertura vegetal dessa área.

Durante os dias que se seguiram aos incêndios recebemos de algumas centenas de pessoas demonstrações de interesse em participar nesse trabalho e equacionámos a forma de as integrar. Gostaríamos de colocar de imediato toda esta gente a trabalhar lá em cima, mas fazê-lo sem a devida organização e meios e sem medidas de acção bem definidas seria correr o risco de desperdiçar o trabalho destes voluntários.

Pelo que optámos por fazer uma sessão de arranque, já no próximo Sábado, no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, com o objectivo de implementar nessa área condições mínimas de apoio às actividades futuras, uma vez que a cabana que servia de Centro de Educação Ambiental foi totalmente destruída, bem como restaurar funções básicas como o abastecimento de água a partir da nascente existente no perímetro do Campo. Para isso contaremos com uma equipa de voluntários que habitualmente participa nas actividades da AAPEF e que já tem experiência no campo e neste tipo de trabalho.

A partir de Sábado, 28 de Agosto, começaremos então com um programa reforçado de actividades nas áreas do Pico do Areeiro e do Campo de Educação Ambiental, já abertas a todas pessoas que desejem contribuir com o seu trabalho voluntário. Em vez de uma actividade mensal de manutenção/plantação, passaremos agora a fazê-lo todos os Sábados, excepto uma vez por mês, em que continuaremos a fazer um percurso pedestre de descoberta do património natural da ilha (ver detalhe no final deste artigo).

Quem desejar participar nas actividades anunciadas poderá inscrever-se através do e-mail amigosdoparque@gmail.com ou pelo telefone 291 783 999 (4ª e 6ª feira, das 16:00 às 18:00).

Embora a vontade de muitos seja iniciar a plantação de imediato, em rigor esta não é a melhor altura para o fazer. Até Outubro as condições climáticas são adversas para isso e certamente condenaríamos a morte prematura uma percentagem elevada dos espécimes plantados. Assim, até que as condições sejam propícias ao início da época de plantio, teremos de fazer um trabalho de limpeza dos esqueletos calcinados das muitas árvores e arbustos que foram atingidas pelo fogo e de preparação do terreno para plantação.

Falta-nos também apurar a quantidade de plantas de que poderemos dispor, uma vez que aqui não se trata de colocar na terra qualquer tipo de planta. Os incêndios propiciam condições ideais para a expansão de espécies invasoras e infestantes, como os eucaliptos, as acácias, a giesta ou a carqueja (tojo). É fundamental desde já manter estas espécies sob controlo apertado e ir reflorestando com espécies endémicas e indígenas características das áreas atingidas.

Entretanto continuaremos em contacto com as instituições oficiais no sentido de coordenarmos o nosso trabalho no campo e, por exemplo, com a eventual partilha de voluntários, se continuarmos a ter manifestações de interesse superiores à nossa capacidade de colocar todas essas pessoas no terreno.

Durante estes dias notámos alguma confusão nas missivas que nos foram enviadas sobre o que é de facto esta Associação.

A Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal é uma organização não governamental para o ambiente, sem fins lucrativos, que depende exclusivamente das contribuições dos seus sócios e da comercialização de publicações de edição própria. Somos actualmente cerca de 350 cidadãos que desde a fundação da Associação em Julho de 1996 tenta, com o seu trabalho voluntário, contribuir para a recuperação do coberto vegetal das nossas serras e para a educação e sensibilização das populações locais para as questões ambientais. Temos ao longo destes anos contado com a colaboração, persistente ou esporádica, de muitos outros cidadãos e organizações.

Os fundadores da AAPEF fizeram-no conscientes de que só com as instituições governamentais, sem o esforço voluntário e participação das populações, seria impossível levar a cabo o projecto de restaurar e preservar os tesouros naturais da ilha.

Apesar de o termos no coração, não somos o Parque Ecológico do Funchal, que é propriedade da Câmara Municipal do Funchal. Ao longo da nossa história temos colaborado com o PEF mas não depende de nós o destino e as orientações que são dadas no seu âmbito.

Fazemos esta clarificação para que compreendam melhor as nossas limitações de actuação, que actualmente se restringem à área de plantação no cimo do Pico do Areeiro e ao Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, espaços diminutos em relação à totalidade da área consumida pelos recentes incêndios. Devido à grandeza do trabalho que nos espera nos próximos anos, tencionamos sair desses espaços e trabalhar também nas zonas vizinhas, onde operacionalmente podemos com mais facilidade colocar pessoas e meios.

Finalizamos com um agradecimento a todos os que de alguma forma manifestaram a sua solidariedade, esperando que não desanimem e mantenham a vontade em contribuir para deixar uma ilha melhor para os nossos descendentes.


PROGRAMA DE ACTIVIDADES ATÉ DEZEMBRO DE 2010
Data Actividade km G.Dif.
21 de Agosto Trabalhos de recuperação do Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
28 de Agosto Limpeza e preparação do terreno para plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
4 de Setembro Percurso pedestre: Paul da Serra » Pico dos Assobiadouros » Louro da Gota » Fanal 10 2
11, 18 e 25 de Setembro Limpeza e preparação do terreno para plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
2 de Outubro Percurso pedestre: Lombo do Mouro » Levada do Monte Medonho » Pináculo » Caramujo » Estanquinhos 10 2
9, 16, 23 e 30 de Outubro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
6 de Novembro Percurso pedestre: Igreja dos Prazeres » Jardim Pelado » Lombo da Rocha » Paul do Mar 9 2
13, 20 e 27 de Novembro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
4 de Dezembro Percurso pedestre: Achada da Felpa » Estação de tratamento de água de São Jorge » Levada do Rei » Ribeiro Bonito » Posto Florestal do Cascalho » Miradouro das Voltas » Ribeira Funda 16 2
11 e 18 de Dezembro Plantação no Pico do Areeiro e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha    
G.Dif. - Graus de dificuldade: 1 (Fácil); 2 (Médio); 3 (Difícil)

3 Comentário(s):

Anonymous Anónimo escreveu...

Olá a todos!
Sugiro a criação de profile e/ou página no Facebook por forma a difundir a mensagem por todos os que ainda não conhecem a AAPEF. Além disso serviria de divulgação "imediata" de toda e qualquer actividade desenvolvida, bem como o resultado da mesma.

19 agosto, 2010 14:26  
Blogger Amigos do Parque escreveu...

Agradecemos a sugestão mas na verdade já existe uma página no Facebook para a AAPEF em http://www.facebook.com/group.php?gid=221213244551&ref=ts
Quem não quiser decorar um endereço complicado basta que pesquise por "amigos do parque" no Facebook.
Não fizemos a sua divulgação anteriormente uma vez que ainda era um trabalho em curso que infelizmente tivemos de acelerar em termos operacionais devido aos incêndios.

19 agosto, 2010 14:45  
Anonymous Anónimo escreveu...

Sou madeirense e embora a viver actualmente no Porto nunca deixo de vir à Madeira e de acompanhar todos os acontecimentos que surgem na região. Com as imagens e videos que vi senti uma mistura de sentimentos como nunca tinha sentido à muito tempo: tristesa, luto, impotência e raiva. Raiva não só por quem faz uma coisa destas como também pelas autoridades políticas que embora anteriormente avisadas pela possibilidade desta situação, mesmo assim abriram todas as portas até permitirem esta tragédia acontecer! É com muita pena que não vou poder ajudar fisicamente aí no parque mas desde já quero agradecer-vos pelo vosso trabalho e dedicação e só vou sugerir 2 coisas: insistam mais..muito mais nos meios de comunicação social,divulguem mais vezes os vossos contactos na tv e na rádio..para que esta situação não seja esquecida daqui a uns meses..e em relação à ajuda humana, "à mão de obra", aproveitarem além do trabalho e vontade solidária e magnífica de todos aqueles que podem se voluntariar também porque não pensar em chegar a um acordo com as entidades competentes sobre a situação dos desempregados jovens? Sei que a Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal é uma organização não governamental e sem fins lucrativos mas porque não tentar? Assim seria uma maneira de tornar a reflorestação muito mais rápida, mais barata (uma vez que recebem o mesmo que já recebiam mas a fazer algo em prol da comunidade) ao mesmo tempo que sensibilizavam os mais jovens! foram apenas sugestões que vos dou e que espero que estas mesmas sejam postas em questão.
Eu quando vou à Madeira vou como turista e é com muita pena que vejo um interesse dos responsáveis pelo Funchal em manter apenas o Café Teatro limpinho e aparecerem nos eventos das revistas sociais..

22 agosto, 2010 14:35  

Enviar um comentário

<< Home