26 de abril de 2009

AAPEF celebra Festa da Flor:
Quinta do Palheiro Ferreiro

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-1 Casa da família Blandy
A Quinta do Palheiro, localizada no sector oriental do anfiteatro do Funchal entre os 470 e os 570 metros de altitude, começou a ser edificada em 1804 pelo primeiro Conde de Carvalhal. Em 1885 foi comprada por John Burden Blandy, que encomendou ao arquitecto inglês Georges Somers Clark o projecto da sua residência, construída entre 1889 e 1901.

A maior Quinta da Madeira mantém-se na posse da família Blandy. Nos seus jardins identifiquei 631 espécies, sendo que algumas como as camélias e as proteáceas possuem imensos cultivares (variedades criadas para cultivo), o que alarga bastante a sua excepcional riqueza florística.

Para terminar a curtíssima visita ao vastíssimo e complexo património florístico das quintas, parques e jardins do Funchal, vou apresentar-vos cinco plantas amigas que fazem questão em nos receber floridas na Quinta do Palheiro Ferreiro neste fim de Abril.

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-2 Calycanthus floridus
A carocha (Calycanthus floridus) é um arbusto natural do Sudeste dos Estados Unidos da América, onde tem o sugestivo nome de “Carolina Allspice” devido ao aroma emanado das suas folhas quando friccionadas. As suas flores vermelho-acastanhadas são o mimo!

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-3 Banksia serrata
O botânico inglês Joseph Banks, integrou a primeira viagem científica à volta da Terra, comandada pelo Capitão Cook. Em 1770, identificou na Austrália espécies até então desconhecidas para a ciência europeia. Em homenagem ao seu labor científico, foi-lhe atribuído o género Banksia. Na Quinta do Palheiro Ferreiro vivem três espécies de Banksia. A Banksia Serrote (Banksia serrata) começa agora a florir.

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-4 Prunus serrulata
A cerejeira do Japão (Prunus serrulata) com incontáveis e delicadas flores cor de rosa, é, só por si, um verdadeiro festival de beleza.

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-5 Leucospermum reflexum
O Leucospermum reflexum é um arbusto da família das Proteáceas, natural das montanhas da região ocidental do Cabo na África do Sul. Esta planta distingue-se das congéneres pelas suas belíssimas cabeças florais com parte dos estiletes recurvados para baixo.

20090426-rq-Palheiro Ferreiro-6 Echium candicans
E sem mais perda de tempo, despeço-me na companhia do meu amigo Echium candicans, o popular Massaroco, endémico da nossa Ilha. Os ingleses chamam-lhe “Pride of Madeira” e tem beleza bastante para assumir-se como o símbolo do turismo madeirense, destronando a estrelícia que é natural da África do Sul.

texto e fotos de Raimundo Quintal

25 de abril de 2009

AAPEF celebra Festa da Flor:
Quinta Jardins do Lago

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-1 Casa Mãe
A Quinta da Achada foi construída no Século XVIII, no pequeno planalto entre a escarpa ocidental da Ribeira de Santa Luzia e a vertente oriental da Ribeira de São João.

No ano 2000, na Quinta da Achada entrou em funcionamento uma unidade hoteleira de cinco estrelas, que integra de forma harmoniosa a casa mãe. A partir dessa altura a propriedade passou a designar-se Quinta Jardins do Lago.

No jardim com cerca de 14000 m² vivem mais de 500 espécies, sendo a maioria de origem tropical e subtropical. Neste hotel botânico há plantas a florir durante todo o ano. Entre as muitas que agora podem ser apreciadas, seleccionei cinco trepadeiras para vos presentear.

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-2 Petrea volubilis
Estrela azul, viuvinha, flor de Jesus são algumas das designações populares da Petrea volubilis, a notável trepadeira da família das Verbenáceas, originária das florestas da América Central, que entre Abril e Julho ornamenta a fachada da velha casa com numerosas flores estreladas de cor azul-arroxeada.

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-3 Cobaea scandens
A Cobaea scandens é uma trepadeira semi-lenhosa, da família das Polemoniáceas, natural do México. As flores em forma de sino, são a princípio amarelo-esverdeadas, mas com o passar dos dias ficam arroxeadas.

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-4 Thunbergia alata
A Thunbergia alata, conhecida popularmente por Susaninha de olhos negros, é uma herbácea trepadeira, da família das Acantáceas, indígena da África Tropical. As flores amarelo-alaranjadas, com o centro castanho, são a sua grande atracção durante quase todo o ano.

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-5 Thunbergia laurifolia
A Thunbergia laurifolia, oriunda duma vasta região que se estende do Norte da Índia à Tailândia e ao Cambodja, ostenta cachos de trombetas azuis de Janeiro a Dezembro.

20090425-rq-Quinta Jardins do Lago-6 Thunbergia mysorensis
A Thunbergia mysorensis, natural das montanhas da região de Mysore no Sul da Índia, é a minha trepadeira preferida. Tenho uma paixão por estas flores, que começam a deliciar os meus olhos em Fevereiro e só se despedem em Outubro ou Novembro. Por favor, reparem no requinte e na composição cromática dos sapatinhos de judia.

Texto e fotos de Raimundo Quintal

24 de abril de 2009

AAPEF celebra Festa da Flor:
Quinta da Boa Vista

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-4 Vinha de Jade e orquídeas
A Quinta da Boa Vista foi construída no século XVII. Localiza-se a norte da Rua Conde Carvalhal, com acessos pelas ruas Figueiroa de Albuquerque e Lombo da Boa Vista, e tem uma área de cerca de 16000 m², dos quais aproximadamente 9000 m² estão cobertos por estufas, onde, para além duma grande variedade de orquídeas, prosperam belíssimas trepadeiras tropicais.

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-5 Strongylodon macrobotrys
Nesta altura do ano, a rainha das trepadeiras é a Vinha de Jade (Strongylodon macrobotrys), da família das Leguminosas, originária das Filipinas. As flores papilonadas, com a rara cor das pedras de jade, formam grandes cachos que surpreendem positivamente o mais exigente visitante.

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-6 Passiflora 'Galaxi'
Bem diferentes, na forma e na tonalidade, são as vistosas flores dum maracujázeiro híbrido (Passiflora 'Galaxi'), criado em 1990 através do cruzamento de duas espécies da América Tropical.

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-3 Anigozanthos 'Bush Glow'
Flores com uma morfologia rara são as das plantas vivazes, conhecidas por Patas de Canguru (Anigozanthos 'Bush Glow'), nascidas da fecundação cruzada de duas espécies indígenas da Austrália).

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-1 Echium simplex
Muito atractivas são, sem dúvida, as enormes inflorescências do Echium simplex, um massaroco endémico da vizinha Ilha de Tenerife e que está perfeitamente aclimatado no jardim que se estende entre casa principal da Quinta e o miradouro, donde se desfruta duma boa vista sobre a baía do Funchal.

20090424-rq-Quinta da Boa Vista-2 Geranium maderense
Finalmente, uma referência para o Gerânio da Madeira (Geranium maderense), uma herbácea endémica da nossa Ilha, com grande desempenho ornamental, graças às notáveis cimeiras de flores rosado-purpúreas.

Texto e fotos de Raimundo Quintal

AAPEF celebra Festa da Flor:
Resort Vila Porto Mare

20090424-vs-5119

Esta semana a Madeira está a viver a Festa da Flor e, por isso, tomamos a liberdade de, a partir de hoje e até ao próximo Domingo, vos oferecer algumas imagens de jardins públicos e privados da cidade do Funchal.

Começamos pelo Jardim do Resort Vila Porto Mare, localizado no Lido.

20090423-rq-Porto Mare-Foto 2

Este jardim ocupa um espaço de 13400 m² e foi criado em duas etapas. A parte oriental, mais antiga e mais pequena, junto ao Hotel Eden Mar, foi projectada e plantada em 1988 pela empresa Estufa do engenheiro técnico Duarte Caldeira, sob a orientação do engenheiro agrónomo Rui Vieira.

20090423-rq-Porto Mare-Foto 3

O paisagista Gerald Luckhurst projectou a segunda fase e orientou a plantação, que ocorreu em Janeiro de 2003.

Desde 2008 têm sido criados canteiros com plantas hortícolas, aromáticas e medicinais, com o objectivo de proporcionar aos hóspedes novos odores e sabores. O património vegetal foi também enriquecido com espécies endémicas da Madeira, com especial incidência para as xerófilas do litoral.

20090423-rq-Porto Mare-Foto 4

Neste momento, cerca de 330 espécies estão identificadas com placas, que fornecem ao utente informação sobre o nome científico, nomes vulgares em português e inglês, família e área geográfica de origem. Graças a esta fitodiversidade, o Jardim do Resort Porto Mare integra a CLASSE EXCEPCIONAL DO ÍNDICE DE RIQUEZA FLORÍSTICA.

Esta semana, para além das muitas plantas em plena floração no jardim, os hóspedes têm oportunidade de observar belos arranjos florais, tanto no interior, na recepção do Hotel Porto Mare, como no exterior, na zona do jardim que fica mesmo abaixo.

20090423-rq-Porto Mare-Foto 5
20090423-rq-Porto Mare-Foto 6
20090424-vs-5084

Texto e fotos de Raimundo Quintal

13 de abril de 2009

Ecologistas de Canárias visitam a Madeira

20090405-vs-3554

Um grupo de sócios do Colectivo Ecologista Turcón, de Grã Canária, realizou na passada semana uma visita à Madeira.

No Domingo, 5 de Abril, fizeram o primeiro percurso a pé, entre o Pico do Areeiro e o Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, com passagem pelo Pico Escalvado, Pico do Cedro e Poço da Neve.

Para além de terem desfrutado da extraordinária paisagem da cordilheira central e da depressão do Curral das Freiras, puderam observar a evolução da plantação de espécies indígenas, que a Associação dos Amigos do Parque Ecológico tem vindo a realizar desde Outubro de 2001 no Pico do Areeiro, e o repovoamento florestal das Serras de São Roque e Santo António, iniciado pela Direcção Regional de Florestas após a retirada do gado em 2003.

A jornada de cooperação entre as duas associações macaronésicas terminou com uma plantação de barbusanos no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha. A selecção da espécie foi determinada pelo facto do barbusano (Apollonias barbujana) ser indígena da Madeira e das Canárias, onde é conhecido como "ébano das Canárias".

Durante o resto da semana, os nossos amigos de Grã Canária percorreram levadas e veredas à descoberta da Laurissilva da Madeira.

20090405-vs-3417
20090405-vs-3626
20090405-vs-3675
20090405-vs-3764
20090405-vs-3761
20090405-vs-3742
20090405-vs-3819
20090405-vs-3930

20090405-vs-3957
Goivo-da-serra (Erysimum bicolor)  


20090405-vs-3939
20090405-vs-4038
20090405-vs-4048
20090405-vs-4109

20090405-vs-4034
Ranúnculo ou doiradinha (Ranunculus cortusifolius)  


20090405-vs-4162
20090405-vs-4175

Mais informação sobre esta visita no site do Colectivo Ecologico Turcón.

10 de abril de 2009

Percurso pedestre: Pico do Areeiro » Pico do Cedro » Terreiro Fecho » Levada da Negra » Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha (7/3/2009)

20090307-vs-0142
20090307-vs-0170
20090307-vs-0161
20090307-vs-0138
20090307-vs-0154
20090307-vs-0176
20090307-vs-0174
20090307-vs-0177
20090307-vs-0181
20090307-vs-0191

20090307-vs-0189
Massaroco (Echium candicans)  


20090307-vs-0190
Loureiro (Laurus novocanariensis)  


20090307-vs-0205

20090307-vs-0210
20090307-vs-0219
Plantação de espécies indígenas da Madeira realizada pela Associação dos Amigos do Parque Ecológico no Pico do Areeiro  


20090307-vs-0223
20090307-vs-0226
20090307-vs-0230
20090307-vs-0232
20090307-vs-0235
20090307-vs-0253
20090307-vs-0251
20090307-vs-0258
20090307-vs-0272
20090307-vs-0273
20090307-vs-0279
20090307-vs-0284
20090307-vs-0289
20090307-vs-0302
20090307-vs-0304
20090307-vs-0306

20090307-vs-0312
Pinheiros bravos (Pinus pinaster) - Pico do Areeiro  


20090307-vs-0314
20090307-vs-0317

20090307-vs-0325
Pinheiro silvestre (Pinus sylvestris) - originário da Europa, Pico Escalvado  


20090307-vs-0331
20090307-vs-0333
20090307-vs-0337
20090307-vs-0338
20090307-vs-0343

20090307-vs-0347-8
Marco na divisória das freguesias de São Roque (concelho do Funchal) e Curral das Freiras (concelho de Câmara de Lobos)  


20090307-vs-0349
20090307-vs-0352
20090307-vs-0367
20090307-vs-0376
20090307-vs-0382
20090307-vs-0387

20090307-vs-0391
As redes de plástico verde protegem dos coelhos os pequeninos pinheiros (Pinus strobus e Pinus sylvestris) plantados pela Direcção Regional de Florestas no Pico do Cedro  


20090307-vs-0392
20090307-vs-0394

20090307-vs-0432
Marco geodésico do Pico do Cedro (1759 metros de altitude)  


20090307-vs-0406
20090307-vs-0410
20090307-vs-0427
20090307-vs-0439
20090307-vs-0442

20090307-vs-0449
20090307-vs-0450
As redes de plástico verde protegem dos coelhos os pequeninos pinheiros (Pinus strobus e Pinus sylvestris) plantados pela Direcção Regional de Florestas no Pico do Cedro  


20090307-vs-0457
20090307-vs-0463
20090307-vs-0470
20090307-vs-0484
20090307-vs-0487
20090307-vs-0489
20090307-vs-0494
20090307-vs-0508

20090307-vs-0514
Levada, construída em cantaria mole, destruída pela erosão  


20090307-vs-0517
20090307-vs-0521
20090307-vs-0524
20090307-vs-0529
20090307-vs-0531
20090307-vs-0541
20090307-vs-0544
20090307-vs-0562
20090307-vs-0569
20090307-vs-0573
20090307-vs-0577
20090307-vs-0580
20090307-vs-0581

20090307-vs-0583
Plantação de pinheiros  


20090307-vs-0592
20090307-vs-0601
20090307-vs-0602

20090307-vs-0605
Urze molar (Erica arborea)  


20090307-vs-0613
Antigos currais do Terreiro Fecho  


20090307-vs-0615

Pequena levada, afluente da Levada da Negra  


20090307-vs-0619
Antigos currais do Terreiro Fecho  


20090307-vs-0623
20090307-vs-0625
20090307-vs-0627

20090307-vs-0631
20090307-vs-0632
Vale da Ribeira de Santa Luzia  


20090307-vs-0637
Sorveira (Sorbus maderensis) sem folhas e com líquenes nos ramos; uveiras da serra (Vaccinium padifolium) com folhas vermelhas  


20090307-vs-0639