23 de junho de 2007

Plantação no Pico do Areeiro
(16 de Junho de 2007)

20070616-rq-4717

No Sábado, 16 de Junho, os Amigos do Parque Ecológico participaram em mais uma jornada de trabalho no Pico do Areeiro, regando e colocando ramagem de giesta nas caldeiras das plantas indígenas ali introduzidas no último Inverno, que, assim, irão resistir melhor ao calor e à secura do Verão.

20070616-vs-4239

Foi, também, uma oportunidade para observar o estado das plantas mais velhas. Os piornos já estão a frutificar e brevemente começarão a dispersar as sementes. As uveiras, os goivos-da-serra, as andríalas, as armérias-da-madeira e os massarocos estão floridos. Os loureiros, as urzes-molares e os cedros-da-madeira crescem saudavelmente.

20070623-er-002
20070623-er-001
20070616-vs-4252
Arméria-da-Madeira (Armeria maderensis)  

20070616-vs-4220

Durante a manhã a visibilidade era óptima e o Porto Santo parecia pertinho do oásis localizado entre os 1700 e os 1800 metros de altitude.

Saudações ecológicas,

Raimundo Quintal

20070616-rq-4727
Massarocos (Echium candicans)  

20070616-vs-4277

Fotos de Emanuel Rocha, Raimundo Quintal e Virgilio Silva


16 de junho de 2007

Vale a pena lutar

20070616-rq-200706b

A lixeira da Ribeira das Cales foi durante vários anos um dos pontos negros do concelho do Funchal e um péssimo cartaz da Madeira, atendendo à sua localização junto à estrada por onde diariamente passavam milhares de turistas a caminho do Pico do Areeiro e do Norte da Ilha.

Logo após a criação do Parque Ecológico, em Maio de 1994, foram tomadas medidas visando o encerramento do vazadouro.

Em Maio de 1994 terminaram as descargas de resíduos sólidos e seguiu-se o depósito das terras necessárias à recuperação da paisagem.

A partir de 1995 começaram as acções de plantação de espécies indígenas com a participação de alunos de várias escolas do concelho e dum grupo de guias intérpretes, que voluntariamente fizeram questão de colaborar no nascimento dum recanto atractivo onde outrora havia algo que denegria a imagem da Madeira.

Agora, o local da antiga lixeira é um campo florido e os massarocos (Echium candicans) estão lindos!

Vale a pena lutar. A Natureza recompensa-nos!

Saudações ecológicas,

Raimundo Quintal

20070616-rq-199401
Janeiro de 1994

20070616-rq-199404
Abril de 1994

20070616-rq-199503
Março de 1995

20070616-rq-199703
Março de 1997

20070616-rq-200706a
Junho de 2007

10 de junho de 2007

Jardim do Campo Ambiental do Cabeço da Lenha

20070607-rq-1a

Caros Amigos,

Em Março de 2006 começou a ser criado o jardim de plantas indígenas da Madeira no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, propriedade da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal.

Como é possível comprovar pelas duas fotografias em anexo, os gerânios (Geranium palmatum), os pampilhos (Argyranthemum pinnatifidum ssp. pinnatifidum) e as doiradinhas (Ranunculus cortusifolius) já estão em plena floração.

No Sábado, 16.06.07, vamos ter mais uma jornada de trabalho de manutenção do jovem jardim e da área que estamos a reflorestar junto ao Pico do Areeiro. Nada melhor para combater o stress e esquecer a subida das taxas de juro. O jardim vai estar lindo!

Saudações ecológicas,

Raimundo Quintal

20070607-rq-1b