21 de setembro de 2013

Uvas da Serra

20130921-rq-001

Hoje foi dia de festa para a malta da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal. Depois de dois meses de seca muito sofrida, as plantas arrebitaram com os nevoeiros e os chuviscos dos últimos dias.

Felizes, com lágrimas de orvalho, as uveiras-da-serra presentearam-nos, logo pela manhã, com os seus incomparáveis frutos. Três anos após o incêndio, que destruiu mais de 90% da vegetação do Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, as uveiras-da-serra (Vaccinium padifolium), cujas raízes não foram danificadas pelo fogo, já estão a frutificar.

Depois duma primeira prova de uvas-da-serra, os voluntários lançaram-se no trabalho previamente definido:
  • sementeira de aipos-do-gado;
  • sementeira e estacaria de estreleiras;
  • erradicação dos tojos.
Após o trabalho programado, seguiu-se a colheita das uvas-da-serra. Uns entretiveram-se a saborear os frutos frescos, outros armazenaram-nos para a produção de compota, que, para além de muito gostosa, diz a tradição que é bom remédio para a tosse e o catarro. Mas as virtudes terapêuticas destes mirtilos endémicos da Madeira não se ficam por aqui. Nas décadas de oitenta e noventa do século passado foram exportados para um laboratório francês para o fabrico dum medicamento oftalmológico.

Neste último dia de Verão a natureza recompensou-nos!

20130921-rq-002
20130921-rq-003
20130921-rq-004
20130921-rq-005
20130921-rq-006
20130921-rq-007

Texto e fotos de Raimundo Quintal