26 de janeiro de 2013

Mais uma jornada de plantação
no Cabeço da Lenha e Pico do Areeiro

20130126-vs-3947

Uma semana depois do assalto às instalações do Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, 30 voluntários subiram à montanha para mais uma jornada de plantação pois o essencial os assaltantes não levaram: as enxadas e a vontade de recuperar e preservar o património natural da sua ilha que move estes cidadãos.

Desta vez foram colocadas no solo, nas plantações no Cabeço da Lenha e no Pico do Areeiro, cerca de 700 plantas provenientes do viveiro da Associação e de um viveiro da Direção Regional de Florestas (Casa Velha), de diversas espécies da flora madeirense: Loureiro (Laurus novocanariensis), Faia-das-ilhas (Myrica faya), Sanguinho (Rhamnus glandulosa), Cedro-da-Madeira (Juniperus cedrus subsp. maderensis), Roseira-brava (Rosa mandonii), Estreleira (Argyranthemum pinnatifudum subsp. pinnatifidum), Gerânio-da-Madeira (Geranium maderense), Doiradinha (Ranunculus cortusifolius) e Aipo-do-gado (Melanoselinum decipiens).

20130126-vs-3943
20130126-vs-3954
20130126-vs-3938
20130126-vs-3965
20130126-rq-01
20130126-rq-02
20130126-rq-03
20130126-rq-04
20130126-rq-05

texto e fotos de Raimundo Quintal e Virgílio Silva

19 de janeiro de 2013

Assalto no Campo de Educação Ambiental
do Cabeço da Lenha

20130119-vs-mb2

Infelizmente, hoje ao chegar às instalações do Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, o pequeno grupo que lá subiu para algumas actividades de manutenção deparou-se com fechaduras arrombadas no armazém e cozinha, tendo sido furtadas 2 máquinas roçadoras e uma moto-bomba de água, além de alguns utensílios e ferramentas.

Não é a primeira vez que isto acontece, naquele local dedicado à reflorestação, introduzindo espécies botânicas endémicas e indígenas, bem como à educação ambiental. Tendo em conta que a Associação depende exclusivamente dos contributos voluntários de sócios e de alguns parceiros institucionais e empresariais, obviamente são prejuízos que terão de ser cobertos por verbas que estavam destinadas à realização das actividades regulares desta Associação.

Felizmente a Natureza insiste em mimar-nos com testemunhos de beleza ímpar e que são motivo de grande satisfação e de encorajamento para todos quantos têm dedicado algum do seu tempo a trabalhar no sentido de as zonas altas do Parque Ecológico do Funchal recuperarem o seu coberto vegetal original.

Pelo que lá estaremos de novo no próximo Sábado (26 de Janeiro) para mais uma acção de plantação, nos terrenos no extremo mais elevado do P.E.F., no Pico do Areeiro, e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha. Se desejar acompanhar-nos e participar nesta actividade, assim contribuindo para que imagens como as que se publicam abaixo sejam cada vez mais comuns, poderá inscrever-se utilizando este formulário ou seguindo as alternativas e contactos sugeridos nessa mesma página.

20130119-vs-3851
20130119-vs-3792
20130119-vs-3652
20130119-vs-3800
20130119-vs-3812
20130119-vs-3715
20130119-vs-3704
20130119-vs-3768
20130119-vs-3837
20130119-vs-3847

texto e fotos de Virgílio Silva

12 de janeiro de 2013

Primeira plantação de 2013

20130112-rq-01

A Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal realizou hoje a primeira jornada de plantação de 2013. Trinta e cinco sócios, entre os quais dois alemães, plantaram no Campo de Educação do Cabeço da Lenha e na extremidade mais alta do Parque Ecológico cerca de seis centenas plantas de quatro espécies indígenas: perado (Ilex perado), cedro-da-Madeira (Juniperus cedrus subsp. maderensis), faia-das-ilhas (Myrica faya) e fustete (Berberis maderensis).

Estas plantas foram fornecidas pela Direção Regional de Florestas. Em troca a Associação entregou vinháticos (Persea indica) e gerânios-da-Madeira (Geranium madeirense) produzidos no seu viveiro. Assim, graças a esta cooperação é possível avançar de forma sustentada com o projecto de recuperação da biodiversidade no maciço montanhoso do Pico do Areeiro.

A próxima acção de plantação está programada para o sábado, 26 de Janeiro, mas, caso haja voluntários, a Associação dos Amigos do Parque Ecológico está disponível para organizar plantações para além das que constam do programa de actividades.

20130112-rq-02
20130112-rq-07
20130112-rq-08
20130112-rq-10
20130112-vs-3394
20130112-vs-3412
20130112-vs-3422
20130112-vs-3436
20130112-vs-3454

5 de janeiro de 2013

Primeira actividade de 2013:
Passeio pedestre • Prazeres - Jardim Pelado - Jardim do Mar

20130105-vs-2649
20130105-vs-2838
20130105-vs-2867
20130105-vs-2681-88-91-2843-46-79-87-2922
20130105-vs-2711-28-35-37-2840
20130105-vs-2948
20130105-vs-3009
20130105-vs-3050
20130105-vs-3035

1 de janeiro de 2013

A nossa Loja — Our Shop

As publicações desta associação podem agora ser adquiridas aqui. Basta preencher o formulário no fundo desta página, escolhendo também o modo de entrega, que pode ser directo ou enviado por correio.

Apresentamos aqui algumas sugestões em livro e DVD.

JARDINS DO FUNCHAL (DVD)
Raimundo Quintal - Jardins do Funchal - DVD cover - 800

“Jardins do Funchal” é uma viagem através do excepcional património florístico dos principais jardins públicos e privados, duma cidade com cinco séculos de vida e um enorme capital no domínio da aclimatação de plantas ornamentais vindas dos quatro cantos da Terra.

Constituída por doze documentários com duração entre 12 e 15 minutos (165 minutos no total) esta série visita os seguintes jardins: 1. Jardim Botânico; 2. Jardim Municipal; 3. Quinta das Cruzes; 4. Quinta Monte Palace; 5. Quinta Magnólia; 6. Quinta do Palheiro Ferreiro; 7. Quinta Jardins do Lago; 8. Parque Municipal do Monte; 9. Passeio Público Marítimo; 10. Parque de Santa Catarina; 11. Quinta Vigia; 12. Jardim do Hotel Reid.

Pode clicar aqui para assistir a um dos episódios.


MADEIRA: ARCA DE TESOUROS
Madeira Arca de Tesouros

“Madeira: Arca de Tesouros” é um livro destinado ao público mais jovem. Reúne quatro histórias da autoria de Fátima Veríssimo, ilustradas por Elisabete Henriques, Eugénio Santos, Nélia Susana e Sónia Dória.

Revelam de forma bastante expressiva alguns dos aspectos mais relevantes do património natural da Madeira e incentivam às boas práticas ambientais.

Pode clicar na capa do livro para ver um pequeno slideshow com aspectos de cada uma das 4 histórias.


MADEIRA: THE DISCOVERY OF THE ISLAND
BY CAR AND ON FOOT

by Raimundo Quintal
Descoberta ING

The main objective of this book is to help the visitor uncover the hidden marvels that Madeira holds, hidden from the sight of those who choose to only explore the island by car using the new motorways.

It is specifically targeted at the tourist who wishes to see the interesting geological features and biodiversity that the island offers, without being constrained by rigid itineraries. However, the book provides the necessary information to enable the visitor to seek out the numerous delightful locations in safety.

The places and routes suggested were chosen to bring the motorised transport user closer to the footpaths. For those hiring a car, suggestions of trails are made where the beginning and end is close to a car park. Otherwise, for those using public transport there are paths that connect to the bus system. Nor has the possibility of a ride in a cable car, followed by a spur-of-the-moment walk, been forgotten.

Furthermore, the selection of paths considers the different physical capabilities of the walkers. In the description of each individual trail, a reference is always made to the degree of difficulty and danger.


Neste momento a edição em português deste livro — “Madeira: A descoberta da ilha de carro e a pé” — está esgotada. Uma nova edição está ser preparada para lançamento em 2014. Se desejar tomar conhecimento na altura, por favor envie-nos uma mensagem de e-mail para amigosdoparque@gmail.com.


BAÍA DO FUNCHAL — DINÂMICAS NATURAIS E ANTRÓPICAS
por Raimundo Quintal e Nancy Policarpo
Capa 171 EdoC Baia_Funchal

Um livro que ajuda a conhecer o passado e que apresenta sugestões para uma ocupação urbanística mais sustentável do litoral do Funchal.

Suportado por um texto que associa a riqueza informativa ao rigor científico e técnico, resultante nomeadamente da utilização das ferramentas dos sistemas de informação geográfica (SIG), este livro ultrapassa, afinal, as fronteiras da história e da ciência.

Questionando, do ponto de vista da sustentabilidade ambiental e das boas práticas do ordenamento do território, o impacto de alguns projectos urbanísticos implantados ou previstos — como por exemplo a construção de um novo cais de acostagem para navios de cruzeiro — ele é, também, um instrumento de intervenção cívica.