20 de março de 2011

A vida das plantas depois do nevão
(19 de Março de 2011)

20110319-rq-08
Clique na foto acima para visualizar slide show

No Dia do Pai logo pela manhã subimos até ao Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha, localizado entre o Poiso e o Pico do Areeiro, para mais uma jornada de plantação de espécies indígenas. A expectativa era enorme entre os 25 elementos da Associação dos Amigos do Parque Ecológico. Como estariam as plantinhas que tínhamos colocado no solo, desde Outubro, após o nevão do Domingo (13 de Março) e vários dias cobertas de gelo?

Logo no início da subida a pé tivémos a primeira surpresa agradável. A maioria das pequeninas plantas apenas apresentavam algumas folhas queimadas pelo gelo, mas nada que pusesse em risco a sua sobrevivência.

Mais acima na área onde estão armazenados os equipamentos de trabalho, apesar de ainda haver bastante neve as plantas receberam-nos sorridentes. Todos sentimos uma enorme alegria e uma vontade redobrada de ajudar a montanha a recuperar a sua biodiversidade.

Ontem foram colocadas no solo mais cerca de 500 plantas indígenas, fornecidas pela Direcção Regional de Florestas e pelo viveiro da Associação. Plantámos cedros da Madeira, loureiros, faias das ilhas, uveiras da serra, urzes das vassouras, urzes molares, massarocos, cabreiras e aipos de gado. Para as proteger do frio da neve e da secura do verão, todas as caldeiras foram cobertas de estilha produzida pela trituração das ramagens das árvores e arbustos queimados no incêndio de Agosto.

Amanhã (21 de Março) será comemorado com pompa e circunstância o Dia Mundial da Árvore e da Floresta. Para os que vão plantar durante os festejos, gostaria de lembrar que é necessário voltar à serra muitas vezes para cuidar das jovens plantas. Muitas das plantas plantadas e fotografadas em festas anteriores morreram pouco depois por falta de ajuda humana.

Para o próximo Sábado a Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal tem programada mais uma acção de plantação. Só com muito trabalho e persistência será possível o retorno da floresta às serras da Ilha da Madeira.

13 de março de 2011

Ajudar a montanha a recuperar a beleza perdida -
Plantação no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha (12 de Março de 2011)

20110312-rq-01
Clique na foto para iniciar slide show

O tempo esteve muito agradável para os voluntários que subiram até ao Pico do Areeiro para ajudar a montanha a recuperar a beleza perdida no grande incêndio de Agosto de 2010.

No Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha e no Parque Ecológico do Funchal foram plantadas cerca de 600 plantas de espécies indígenas da Madeira, vindas dos viveiros da Direcção Regional de Florestas e da Associação dos Amigos do Parque Ecológico.

Para os próximos sábados (19 e 26 de Março) estão programadas mais duas jornadas de plantação. Dada a proximidade do Dia Mundial da Árvore e da Floresta (Segunda-feira, 21 de Março) é previsível que o número de voluntários seja superior aos trinta que passaram ontem a plantar loureiros, cedros da Madeira, urzes das vassouras, uveiras da serra, faias das ilhas, aipos de gado, cabreiras, e estreleiras.

5 de março de 2011

Visita de Estudo em Porto Santo,
de 15 a 17 de Abril

20070413-vs-0399

A Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal irá realizar uma visita de estudo ao Porto Santo no fim de semana de 15 a 17 de Abril, com o seguinte programa:

  • 15 de Abril - Saída do Funchal às 19:00 no Lobo Marinho.
  • 16 de Abril – Concentração às 9:30 junto à Praça de Táxis, seguindo-se a viagem até ao ponto de partida do percurso a pé.
    10:00-17:00 – Percurso pedestre: Pico do Castelo » Pico do Facho » Pico Juliana » Ribeira da Serra de Dentro » Pico Branco (Terra Chã) » Estrada Regional 111 (Serra de Dentro).
    O percurso, com a distância de 10 km, tem um grau de dificuldade 2, na escala 1-3.
  • 17 de Abril – Dia livre. Regresso ao Funchal às 19:00 no Lobo Marinho.

A visita destina-se exclusivamente aos sócios desta Associação, que deverão fazer as inscrições e o respectivo pagamento até 30 de Março.

O alojamento será no Hotel do Porto Santo com pequeno almoço incluído.

Valor a pagar por cada participante:
  • € 120 - estadia em quarto individual, viagem de barco e seguro do percurso pedestre;
  • € 100 - estadia partilhando quarto duplo, viagem de barco e seguro de percurso pedestre;
  • € 50 - viagem de barco e o seguro do percurso pedestre.

3 de março de 2011

Convocatória para Assembleia Geral Ordinária,
a 17 de Março de 2011

Convocam-se os sócios da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal para a Assembleia Geral que se realizará no dia 17 de Março do corrente ano, pelas 18:00 horas, na sede, localizada no Parque Municipal do Monte, com a seguinte ordem de trabalhos:
  • Informações;
  • Apreciação e aprovação do relatório e contas do ano 2010;
  • Apreciação e aprovação do plano de actividades e do orçamento de 2011.
Caso à hora prevista não haja quórum, a Assembleia realizar-se-á 30 minutos depois da hora marcada com os sócios presentes.

Funchal, aos 2 de Março de 2011

O Presidente da Assembleia Geral
Luís de Oliveira Franquinho


1 de março de 2011

Mais um dia de trabalho em prol da floresta da Madeira
(26 de Fevereiro de 2011)

20110226-rq-015
Clique na foto para ver slide show

Trinta voluntários da Associação dos Amigos do Parque Ecológico do Funchal estiveram no passado Sábado empenhados na plantação de espécies indígenas da flora madeirense na área montanhosa sobranceira ao Funchal, que em Agosto de 2010 foi arrasada pelo fogo.

Ao contrário do que tinha acontecido no Sábado anterior, ontem o estado do tempo ajudou bastante e mais cerca de 600 plantas foram cuidadosamente colocadas no seu nicho definitivo.

Até ao fim de Março vamos continuar com os trabalhos de plantação no Parque Ecológico e no Campo de Educação Ambiental do Cabeço da Lenha. Depois seguir-se-ão as actividades de manutenção com o objectivo de evitar a morte das jovens plantas com o calor e a secura do Verão.

Para que o verde e a biodiversidade regressem às serras da Madeira será necessário trabalhar persistentemente nos próximos anos. Todos seremos poucos para acabar com o deserto em que se transformou a cordilheira central.